Lei determina exibição de filmes brasileiros nas escolas


Em 26 de junho de 2014 foi sancionada a Lei 13.006 que altera a LDB, incluindo no Art. 26 o parágrafo 7º e obrigando a exibição de filmes brasileiros nas ecolas de todo o país. Ela determina que “a exibição de filmes de produção nacional constituirá componente curricular complementar integrado à proposta pedagógica da escola, sendo a sua exibição obrigatória por, no mínimo, 2 (duas) horas mensais.

A lei, apresentada pelo senador Cristóvão Buarque, tem um  histórico complicado, que inclui:

Além deste percurso tortuoso a lei também já acumula discussões em torno de sua aplicação, que apontam para vários desafios e oportunidades. Entre os principais desafios estão a escassez do tempo curricular, a preparação dos professores e a infraestrutura das escolas. As oportunidades giram, principalmente, em torno do conhecimento da produção nacional e da formação de plateia.

Reflexões sobre a concepção e implantação da lei

A exemplo das leis 10.639, que trata da inclusão do ensino de história e cultura afro-brasileira, da 11.631, que trata da obrigatoriedade do ensino de espanhol, e de outras tantas que alteram a LDB, essa nova lei também encontrará enormes problemas. Mas é preciso perceber as peculiaridades da legislação educacional no atual momento em que vivemos. Nossos poucos anos de retomada democrática não só confirmam que temos muito ainda a caminhar como nos alerta para o modo como caminhamos. A lei que obriga a exibição dos filmes brasileiros nas escolas não apresenta a estrutura com a qual nos acostumamos a encontrar na LDB e em outras leis matriciais. Seu texto perde, cada vez mais, a precisão e o respeito de outrora, inspirando menos e restringindo mais. Demonstra, no entanto, a nossa imensa falta de esperança na capacidade dos próprios professores e gestores da educação, que poderiam facilmente decidir pelo mesmo caminho se para isso fossem estimulados, pelo menos, com a distribuição dos filmes nas escolas. De forma a exemplificar, apresento apenas alguns questionamentos que ainda carecem de aprofundamento para a implantação da Lei 13.006:

  • É possível flexibilizar a lei dos direitos autorais (Lei 9.610/98) para exibição com fins educacionais?
  • A exibição deverá contemplar desde que série?
  • Como lidar com a classificação etária dos filmes em se tratando do ensino fundamental?
  • Como tratar o “componente curricular”, dentro ou fora das demais disciplinas?
  • O que cabe no conceito de “filme”: séries e documentários entram?

Todos esses pontos, certamente, serão alvos da reflexão de professores e gestores educacionais, e em maior ou menor medida suas respostas impactarão na qualidade da aplicação da lei.

Contagem regressiva com JQuery


Para quem precisa de um efeito legal para aquele site de casamento ou para a expectativa por aquele show da banda que está chegando, vai uma dica de um recurso em JQuery muito fácil de ser implementado. É o Circular-Countdown,  uma contagem regressiva animada em forma de círculos. Veja quantos dias faltam para o Natal:

1. Do que precisamos

Nosso contador é composto basicamente pelos seguintes arquivos e pastas:

  • index.html
  • js/jquery.min.js
  • js/init.js
  • js/jquery.ccountdown.js
  • js/jquery.knob.js
  • js/lte-ie7.js
  • css/style.css

Eles podem ser baixados aqui:

[easy_media_download url=”http://professorvirtual.org/wp-content/uploads/2014/07/circular-countdown/circular-countdown.zip” text=”circular-countdown.zip” force_dl=”1″]

 

2. Instalação e execução

a) Decompacte o arquivo “circular-countdown.zip” em uma pasta do seu computador ou do seus servidor web;
b) Execute o arquivo “index.html” no seu navegador web.

3. Principais customizações

a) Alterar a data final da contagem

Encontre e altere os dados na função “ccountdown()” do arquivo “index.html” cpmo mostrado abaixo

<script>
    // Informe a data final da contagem no formato (ano, mês, dia, 'hora:minuto');
    $(".ccounter").ccountdown(2014,12,25,'18:00');
</script>

b) Alterar as cores da barra de contagem

As cores das barras nos círculos podem ser alteradas de forma independente. Para fazê-lo você deve alterar dos dados no seguinte código HTML:

<div class="ccounter">
    <!-- 
    Altere as cores das barras de contagem e o tamanho dos círculos modificando os valores em "data-width" (largura/tamanho) e "data-fgColor" (cor da barra)
    -->
    <!-- CÍRCULO 1 - DIAS -->
    <div style="float:left;"><input class="knob days" data-width="80" data-min="0" data-max="365" data-displayPrevious=true data-fgColor="#ff00ff" data-readOnly="true" value="1"></div><div class="texto">Dias</div>
    <!-- CÍRCULO 2 - HORAS -->
    <div style="float:left;"><input class="knob hour" data-width="80" data-min="0" data-max="24" data-displayPrevious=true data-fgColor="#ff00ff" data-readOnly="true" value="1"></div><div class="texto">Hor</div>
    <!-- CÍRCULO 2 - MINUTOS -->
    <div style="float:left;"><input class="knob minute" data-width="80" data-min="0" data-max="60" data-displayPrevious=true data-fgColor="#ff00ff" data-readOnly="true" value="1"></div><div class="texto"">Min</div>
    <!-- CÍRCULO 2 - SEGUNDOS -->
    <div style="float:left;"><input class="knob second" data-width="80" data-min="0" data-max="60" data-displayPrevious=true data-fgColor="#ff00ff" data-readOnly="true" value="0" data-bgcolor="#eee"></div><div class="texto">Seg</div>
</div>

 3. Fontes originais de download

[su_button url=”https://github.com/nikhiln/Circular-Countdown” target=”blank”]Circular-Countdown[/su_button]

[su_button url=”https://github.com/aterrien/jQuery-Knob/blob/master/js/jquery.knob.js” target=”blank”]jQuery-Knob[/su_button]

 

4. Resumo das alterações nos arquivos originais:

  • tradução de termos
  • eliminação de arquivos e códigos dispensáveis
  • classe para contador no código css externo (style.css)
  • alterações nas cores dos códigos css inline
  • inclusão dos termos Dias,Hor,Min,Seg
  • troca do arquivo “jquery.knob.js” hospedado no github “nikhiln” para o original hospedado no github “aterrien” para que o contador faça o moviemnto antihorário.
  • acréscimo de 20px de margem para a direita no arquivo “jquery.knob.js”

Implementando JQuery


Para quem deseja oferecer um serviço de qualidade na internet, organizando, apresentando e disponibilizando melhor o seu site ou blog tem que conhecer os recursos que já existem e estão disponíveis na web através do framework JQuery. Feito inteiramente em JavaScript ele é muito útil para quem não tem muito tempo ou conhecimento para desenvolver aplicações do nada (como eu). Alguns recursos chegam a ser tão fáceis de serem aplicados que é quase impossível não lançar mão deles na hora de construir um site. Em meus sites crio com ele páginas iniciais e implemento recursos que melhoram a entrega de informação ao usuário. Uso até mesmo offline pois como JQuery roda no navegador (pois é feita em JavaScript) é possível fazer aplicações rápidas para resolver problemas cotidianos como uma apresentação de slides, mural de recados etc. Nesta postagem, irei mostrar quais são os requisitos básicos para você implementar JQuery em seu site, blog ou Desktop.

1. O que preciso saber/conhecer?

Praticamente, para fazer rodar um recurso em JQuery você pode precisar de quase nenhum conhecimento sobre desenvolvimento de site, a não ser um pouquinho (muito pouco mesmo) de HTML. Deve conhecer o suficiente para alterar um pedaço de uma linha de código sem bagunçar o resto. Precisamente, você deverá saber:

a) Organizar um espaço virtual (online ou no Desktop) com os arquivos HTML e JavaScript interligados – em nosso exemplo isso significa, simplesmente, baixar os arquivos e colocá-los na mesma pasta, pois o arquivo HTML já contem uma chamada para o arquivo JavaScript;

html-jquery

b) Abrir, alterar e salvar arquivos do tipo texto nos formatos HTML e JavaScript – para que você possa personalizar o conteúdo de um JQuery você precisará abrir os arquivos em um editor de textos simples (gedit, bloco de notas etc.), alterar textos nos lugares onde isso se aplica e finalizar as alterações salvando os arquivos;

c) Exibir as alterações em um navegador web – JQuery roda em qualquer navegador moderno e para fazê-lo funcionar basta abrir o arquivo HTML correspondente; todas as vezes que fizer alterações em qualquer conteúdo você deverá recarregar a página do site ou recurso para ver os resultados.

2. Como ele funciona?

Como sua função principal é dinamizar o desenvolvimento de sites e aplicações web, basicamente, JQuery é um arquivo com código em javascript chamado a partir de um arquivo com código em HTML.

a) O código completo HTML pode ser como este (index.html):

<!doctype html>
<html>
    <head>
        <meta charset="utf-8" />
        <title>Implementando JQuery</title>
    </head>
    <body>
        <a href="#" id="abre">Clique aqui para MOSTRAR o texto</a>
        <div id="texto">
        Texto apresentado.
        </div>
        <script src="jquery.js"></script>
        <script>
            $(document).ready(function(){
                $("#texto").hide();
                $("#abre").click(function(){
                    $("#texto").show(200);
                });
            });
        </script>
    </body>
</html>

 Acima temos um código um HTML básico composto de suas tags. Temos também uma chamada para o arquivo “jquery.js”, como podemos ver abaixo de forma isolada:

        <script src="jquery.js"></script>

E um código javascript embutido que produz um efeito simples, como mostrado abaixo:

        <script>
            $(document).ready(function(){
                $("#texto").hide();
                $("#abre").click(function(){
                    $("#texto").show(200);
                });
            });
        </script>

Para a execução deste código basta que os arquivos index.html e jquery.js estejam na mesma pasta e que o “index.html” seja aberto a partir de um navegador web.

[su_button url=”http://professorvirtual.org/wp-content/uploads/2014/07/index.html” target=”blank”]Veja o exemplo[/su_button]

 

Faça um teste e tente rodar o exemplo acima em sua máquina baixando os arquivos:

[easy_media_download url=”http://professorvirtual.org/wp-content/uploads/2014/07/index.html” text=”index.html” force_dl=”1″] | [easy_media_download url=”http://professorvirtual.org/wp-content/uploads/2014/07/jquery.js” text=”jquery.js” force_dl=”1″]

 

3. Como e o quê modificar

Quanto mais você modificar códigos de outros mais aguçada ficará sua percepção e entendimento de como eles funcionam. Foi assim comigo e espero que com você também seja. Vejamos o que normalmente podemos alterar em nossos códigos JQuery com poucos conhecimentos sobre o assunto:

a) Textos nos arquivos HTML como títulos e conteúdos das páginas ficam entre as tags: <tag>conteúdo</tag>; em nosso exemplo são os textos em português; palavras entre aspas;
b) Nas partes do código JavaScript, o que podemos alterar, possivelmente, são os valores; eles podem ser encontrados de muitas formas, mas no caso de nosso exemplo temos o tempo de demora para que o texto apareça complementamente na função “show(200)”; aqui o tempo de aparição é de 200 milissegundos);
c) Nos códigos JQuery propriamente ditos (com extensão “.js”) pouca ou quase nenhuma alteração é recomendada, mas às vezes pode ser necessário.

4. Onde encontrar recursos

Vou listar aqui em baixo alguns dos sites que possuem um bom número de plugins jquery bem trabalhos e à disposição de forma gratuita:

http://plugins.jquery.com/
http://www.jqwidgets.com/
http://www.unheap.com/
http://ngiriraj.com

Nosso exemplo não nos permite criar muitas oportunidades, por isso, deixaremos para nossa próxima postagem toda a magia dos recursos disponíveis na internet que utilizam JQuery. Abraço e até lá!

Google Trends e a Copa 2014


A Copa de 2014 no Brasil atinge seus momentos decisivos e cada vez mais as atenções mundiais se voltam para ela. Aproveitando a onda de tensão e expectativa dos torcedores o Google revela o que o mundo pensa, sente e espera sobre cada uma das partidas. Sua ferramenta conhecida como Google Trends recebeu um recurso especialmente voltado para o acompanhamento da Copa, trazendo as “impressões digitais” daqueles que utilizam o seu buscador para encontrar notícias ou informações relacionadas ao evento. Jogo a jogo as informações se alteram, revelando magicamente os ânimos mundiais. Após a lesão de Neymar a pergunta do momento, por exemplo, foi: E agora, Felipão?

felipao

O Google, a exemplo de redes sociais como o Facebook e Twitter, utiliza o grande volume de dados que obtém de seus usuários para construir análises apuradas do comportamento de nossa sociedade. O Google Trends, na verdade, é uma forma de sintetizar nossos interesses e nada melhor que um evento de tamanhas proporções para sua demonstração de poder.A Copa está em todos os canais de Tv, emissoras de rádio e jornais impressos, mas apenas pela internet conseguimos ouvir todos os burburinhos sobre ela.

Além da Copa, o Google Trends fornece abertamente um levantamento em tempo real com a página Hot Trends:

A capacidade de usar essas informações é, na verdade, o grande trunfo do Google para lucrar e fazer investimentos. Toda seu mercado de publicidade é baseado nisso. Outros recurso vem usando a mesma estratégia de retorno público dessas informações. Um deles é o Think With Google (“Pense com o Google”), que tem o objetivo de encontrar tendências inovadoras nos mais variados setores da sociedade apenas utilizando as pesquisas feitas no site como referência. Entre suas análises está “2014 World Cup: What a Difference 4 Years Makes (Copa do Mundo 2014: O que uma diferença de 4 anos faz)” que levanta as tendências surgidas com Copa de 2014, inclusive com as perspectivas do envolvimento dos EUA com o esporte. No ano passado o Google revelou que estava usando esses dados para analisar e até prever sucessos e fracassos no mundo do showbiz com a publicação do estudo Quantifying Movie Magic with Google Search.

Launchers adaptativos no Android


Quem frequenta assiduamente a Play Store já deve ter esbarrado inúmeras vezes nos launchers e em todo seu ecossistema (ícones, telas de bloqueio, ambiente de trabalho etc.). Isso deve gerar muitas perguntas na maioria dos usuários de Android que observam meio de lado toda aquela parafernália de widgets mas não tem coragem de alterar tão seriamente a interface original de seu aparelho. Mas, recentemente, esse tipo de tecnologia vem ganhando destaque e apoiando grandes investimentos, como no caso do Facebook Home, launcher com foco na experiência de uso da maior rede social. A Mozilla anunciou, na InContext sua investida no Firefox Launcher, que avança sobre o Android utilizando a inteligência gerada no desenvolvimento do Firefox OS, o seu sistema operacional para smartphones. Outro avanço vem do lado independente dos desenvolvedores da Nokia, empresa adquirida pela Microsoft, que acaba de liberar o Z Launcher para dispositivos de outras empresas.

[su_youtube url=”https://www.youtube.com/watch?v=IYtAkOb62nU#t=21″]

Esse launcher trás uma usabilidade diferente, já explorada pela gigante Yahoo no seu Aviate. Ambos aproveitam sua capacidade de adaptação aos vários contextos do dia-a-dia e do uso que se faz do dispositivo. Essa função adaptativa nos leva a uma experiência realmente inovadora, fundada na mobilidade ou “grudabilidade” dos aparelhos aos seus usuários. A interface visual e os recursos se transformam com o passar do dia, a localização ou o comportamento do usuário.

 [su_youtube url=”https://www.youtube.com/watch?v=gj-cYb9eiRY”]

Para quem gosta de mais aventura pode experimentar também outros launchers adaptativos com características muito peculiares. O Everything.me e o Chameleon tambem ajudam você a organizar muito bem os ícones e widgets para que fiquem sempre a sua mão. Essas também são ferramentas muito poderosas e até mais charmosas que as das grandes companhias.

[su_youtube url=”https://www.youtube.com/watch?v=9fHOYuzsIZo”]

Indique  em nossos comentários de qual você mais gosta ou as razões pelas quais você ainda não aderiu a essa incrível (re)volução.